1. Calculadora de senioridade – Como saber o seu nível de senioridade
  2. Absenteísmo no trabalho: entenda as causas e como controlá-lo
  3. Recrutamento externo: as vantagens que o RH precisa conhecer!
  4. Time de Inside Sales: 3 dicas para você contratar melhor!
  5. Recrutamento interno: suas maiores vantagens e como realizá-lo
  6. Employer Branding: o que é, como aplicar e a sua importância
  7. Cultura organizacional de uma empresa: qual é sua importância?
  8. Fit cultural: como usá-lo para selecionar o melhor candidato
  9. Entrevista por competências: o que é, como usar e dicas práticas
  10. Endomarketing nas empresas: uma nova prática do RH estratégico
  11. O que é turnover: guia completo para reduzir a rotatividade
  12. Produtividade no trabalho: 9 dicas para produzir mais e melhor
  13. Atração e Retenção de Talentos: descubra como se destacar!
  14. Engajamento de equipes: como manter os colaboradores motivados?
  15. Indicadores de RH: o segredo para tornar seu RH estratégico
  16. [Case de Sucesso] De candidato a Head de CS e Recrutador
  17. Avaliação de desempenho por competências: faça ou perca talentos!
  18. Como analisar um currículo para sempre acertar nas contratações?
  19. Experiência do candidato: saiba como nunca mais perder talentos!
  20. Soft skills e Hard skills: você sabe qual é mais importante?
  21. Bem estar no trabalho: seus colaboradores estão MESMO felizes?
  22. ETALENT: 4 dicas para automatizar a operação e ter um DP estratégico
  23. RH estratégico: a tendência de mercado que você precisa conhecer
  24. Benefícios Trabalhistas válidos para o final do ano: quais são?
  25. Mau Recrutamento: conheça suas principais consequências
  26. HR Insights apresenta: Mark Roberge
  27. Contratar em marketing digital: como saber se um candidato tenta enrolar?
  28. Estratégias de recrutamento e seleção: conheça as melhores!
  29. Por que as pessoas trabalham?
  30. Produtividade na Empresa: o impacto da qualidade de vida dos funcionários
  31. Business partner: o que é e como você pode se preparar para assumir essa posição
  32. Recrutamento e Seleção: o que é? Do básico ao avançado
  33. Conteúdo prático e de alto nível para RHs que não se contentam em ser operacionais
  34. Como tornar seu RH estratégico? Descubra formas práticas de conseguir!
  35. Porque o RH deve parar de responder ao CFO em 2019
  36. 7 sinais de que a sua empresa não faz os funcionários se sentirem valorizados
  37. Um guia de sustentabilidade para RHs que querem ser protagonistas
  38. Outplacement: o que é e como conduzir da melhor forma?
  39. Panorama de RH no Brasil busca gerar novas percepções para profissionais da área
  40. Empresas de headhunters: ajudam no recrutamento e…
  41. Seleção de pessoal: o que é, objetivos e diferença entre recrutamento
  42. Técnicas de Recrutamento e Seleção: como recrutar e selecionar no mercado de 2019?
  43. Como um plano de carreira pode motivar a sua equipe?
  44. Técnicas para uma boa gestão de pessoal: 7 dicas para uma gestão de sucesso
  45. Salário emocional: como motivar funcionários através da remuneração?
  46. Inteligência de mercado – saiba o que é e como identificar em um candidato
  47. Engajamento e colaboração na empresa
  48. [Vídeo] People.Tech – Gestão e Cultura Organizacional
  49. Recrutamento — O terceiro atributo crucial de uma startup
  50. Recrutamento em vendas e marketing: por que decidimos focar neles?
  51. Gestão de Pessoas: seis processos para você conhecer
  52. 6 Insights de profissionais que estão moldando um novo cenário de RH
  53. One to One
  54. Indicadores de recrutamento e seleção
  55. Curso soft skills
  56. People.Tech: Aquisição e Desenvolvimento de Talentos
  57. Ferramentas para RH gratuitas
  58. Como Identificar Talentos
  59. Recrutamento Online: o que é e vantagens
  60. Recrutamento e seleção de talentos: como conseguir os melhores?
  61. Redes sociais no recrutamento: como procurar ótimos profissionais online [Guest Post]
  62. Tipos de Recrutamento: Interno, externo, misto ou online?
  63. Seleção por competências: O que é, benefícios e como fazer
  64. Recrutamento e seleção em quatro passos
  65. Feedback no processo seletivo: qual é a importância?
  66. Job description: passo a passo para elaborar
  67. Consultoria de RH – O que é e quais tecnologias substituem?
  68. Retenção de talentos: 9 hacks que você nunca imaginou que ajudariam a reter seus talentos
  69. Inteligência Artificial no Recrutamento: o que muda?
  70. Recrutamento e Seleção de líderes: devo usar uma empresa de R&S?
  71. Headhunters: o que são e como eles podem ajudar sua empresa
  72. Banco de talentos: 5 vantagens em contratar empresas de recrutamento
  73. Startup e Recrutamento pelos olhos de um grande investidor americano
  74. Otimizar o recrutamento e seleção: as melhores práticas!
  75. Ferramentas de vendas: 7 para começar a usar agora!
  76. Gestão por competência: a prática que irá revolucionar a GP
  77. O que recrutar tem a ver com vender? | O processo seletivo e seu principal erro
  78. Processos seletivos – atração de talentos na Google e Ambev
  79. Softwares para RH: os melhores para a sua empresa
  80. Como contratar bem? 10 erros para passar longe
  81. Talent Acquisition e Employer Branding em números
  82. Employer Branding e a influência do processo seletivo
  83. Recrutamento com tecnologia: as novas tecnologias e como isso afeta a sua área
  84. Diplomas versus talento: o que priorizar no recrutamento?
  85. RH em startups: quando é necessária uma área de RH?
  86. Budget de Recrutamento: O que incluir no recrutamento de marketing e vendas?
  87. Marketing e Vendas: como conseguir os melhores profissionais?
  88. Como avaliar candidatos em entrevistas feitas por videoconferência
  89. Retenção de Talentos: Como reter jovens talentos na sua empresa
  90. Simulação de vendas: estratégia para contratar um consultor de vendas
  91. Livros para RH: 5 obras imprescindíveis para você
  92. Como Contratar Vendedores – O Guia Completo
  93. Customer Success: o Sucesso do Cliente em Foco
  94. Como Treinar e Rampar Times de Alta Performance
  95. Time de Vendas de Alta Performance

Business Partner

O conceito de business partner  (BP) é uma das grandes tendências e apostas do RH moderno, especialmente quando estamos falando de RH estratégico.

Todavia, apesar da sua popularidade, esse cargo dificilmente tem uma definição efetiva de seu papel e suas competências. Não à toa, tal falta de definição causa uma grande confusão em torno da sua imagem.

Podemos atribuir ao termo BP, criado em 1980 por Dave Ulrich, a seguinte definição: profissional que consegue gerir, dentro de uma empresa, a relação entre a área de recursos humanos e a área de negócios. Mas como isso acontece? E quais aptidões um profissional deve ter para atuar como um BP?

Tendo ciência dessas dificuldades, a Talentbrand escreveu um artigo para ajudar a sanar as dúvidas mais frequentes sobre o cargo que vem dando o que falar no setor de RH!

Afinal, o que faz um business partner?

Vamos recapitular o papel do business partner: atuar como mediador entre o RH e a área de negócios. Mas, reparou que se trata de algo extremamente amplo? Há várias formas pelas quais isso pode se dar, várias atribuições que se encaixam nessa descrição. E é exatamente esse um dos principais “problemas” do cargo.

Devido ao seu perfil generalista, o BP pode sofrer com a designação de tarefas não condizentes com suas principais competências.

Por isso, é necessário detalhar e delimitar linhas um pouco mais rígidas a respeito do que é ou não parte do dia a dia desse profissional.

Na prática, podemos dizer que algumas das habilidades de um business partner são:

Entender com profundidade o negócio da empresa

Um tanto previsível, levando em consideração sua definição principal. A necessidade de se ter um business partner surgiu de um maior engajamento do capital humano de uma empresa com sua área executiva. Hoje em dia, os colaboradores representam uma das maiores, senão a maior riqueza e fonte de crescimento de uma empresa.

Com isso, é natural que essa relação seja explorada de forma a beneficiar ambos os lados. Ou seja, o bem estar dos funcionários e desenvolvimento da instituição em que trabalham.

Ter amplo conhecimento sobre RH

Normalmente, BP são profissionais que começaram em alguma área dos recursos humanos. Isso porque, ao contrário da crença popular, ser um profissional de RH vai além de saber lidar com pessoas.

Há várias questões técnicas nesse campo que são de grande relevância na hora de gerir uma empresa. Evidentemente, para o cargo de business partner é necessário saber trabalhar de forma estratégica com os colaboradores.

Saber analisar dados (métricas e indicadores)  e utilizá-los nas tomadas de decisão

Esse item é o “fator x” de um business partner! Diferentemente da maior parte das áreas de atuação no RH, um BP precisa entender – e muito bem! – de negócios. Análises de dados e demandas, gráficos, estatísticas, incorporação de planos empresariais… Todos esses são elementos presentes no cotidiano de quem decidir seguir essa carreira.

Quais são as principais competências de um business partner?

Assim como em qualquer cargo, há algumas características desejáveis num business partner. Apesar delas serem um pouco mais difíceis de traçar, devido tanto à amplitude de atuação quanto ao fato da área ser relativamente nova, ainda assim é possível separar alguns pontos de convergência nesses profissionais.

Todavia, vale uma ressalva: certas competências, aptidões e atribuições são específicas e variam de empresa para empresa! Aqui serão citados fatores comuns entre a maioria delas.

Saber como planejar

Para ser um bom business partner, é preciso saber como elaborar uma intersecção entre o RH e os planos empresariais. Ou seja: a partir das informações que um BP tem do seu capital humano, ele saberá a viabilidade e os passos necessários para executar as demandas da empresa.

Mas também saber executar

Intimamente ligado ao item anterior, apesar da importância de saber como traçar planos que incluam os funcionários e as metas de negócios, é crucial saber como colocá-los em prática!

Ser um bom mediador

Considerando que um BP terá que lidar tanto com a parte executiva e financeira quanto com o setor de recursos humanos e os colaboradores, é intuitivo pensar na necessidade de criar mediações.

Uma observação importante desse tópico é: tão importante quanto a mediação para um business partner, é a capacidade de criar e manter bons relacionamentos.

Saber prever riscos

Ser capaz de detectar riscos em planos e ações empresariais é outra atribuição de um BP. Afinal, lembre-se: esse profissional terá um papel de destaque nos processos de tomada de decisão.

Ser um parceiro estratégico

Basicamente um compilado de todos os itens anteriores! A partir de todas as habilidades mencionadas, um business partner deve ser capaz de criar atividades como: promover uma visão e gestão estratégica de talentos, explorar as implicações – também estratégicas – do setor de RH a favor dos negócios e ter uma alta percepção dos principais elementos empresariais e organizacionais.

Pronto para ser um business partner?

Com uma maior conscientização dos CEOs e das empresas num geral em relação ao papel estratégico do RH, carreiras como BP estão em ampla ascensão.

Já se tornou um consenso que saber explorar bem novos talentos, ao mesmo tempo que manter a satisfação dos colaboradores, é um dos principais fatores no desenvolvimento de uma empresa. E, claro, se for possível cruzar isso com as demandas de negócios, não seria esse o caminho para o sucesso?

Gostou desse artigo? Então não se esqueça de conferir nosso blog! 🙂

Tags: ,

Related Article

0 Comments

Leave a Comment