1. Calculadora de senioridade – Como saber o seu nível de senioridade
  2. Absenteísmo no trabalho: entenda as causas e como controlá-lo
  3. Recrutamento externo: as vantagens que o RH precisa conhecer!
  4. Time de Inside Sales: 3 dicas para você contratar melhor!
  5. Recrutamento interno: suas maiores vantagens e como realizá-lo
  6. Employer Branding: o que é, como aplicar e a sua importância
  7. Cultura organizacional de uma empresa: qual é sua importância?
  8. Fit cultural: como usá-lo para selecionar o melhor candidato
  9. Entrevista por competências: o que é, como usar e dicas práticas
  10. Endomarketing nas empresas: uma nova prática do RH estratégico
  11. O que é turnover: guia completo para reduzir a rotatividade
  12. Produtividade no trabalho: 9 dicas para produzir mais e melhor
  13. Atração e Retenção de Talentos: descubra como se destacar!
  14. Engajamento de equipes: como manter os colaboradores motivados?
  15. Indicadores de RH: o segredo para tornar seu RH estratégico
  16. [Case de Sucesso] De candidato a Head de CS e Recrutador
  17. Avaliação de desempenho por competências: faça ou perca talentos!
  18. Como analisar um currículo para sempre acertar nas contratações?
  19. Experiência do candidato: saiba como nunca mais perder talentos!
  20. Soft skills e Hard skills: você sabe qual é mais importante?
  21. Bem estar no trabalho: seus colaboradores estão MESMO felizes?
  22. ETALENT: 4 dicas para automatizar a operação e ter um DP estratégico
  23. RH estratégico: a tendência de mercado que você precisa conhecer
  24. Benefícios Trabalhistas válidos para o final do ano: quais são?
  25. Mau Recrutamento: conheça suas principais consequências
  26. HR Insights apresenta: Mark Roberge
  27. Contratar em marketing digital: como saber se um candidato tenta enrolar?
  28. Estratégias de recrutamento e seleção: conheça as melhores!
  29. Por que as pessoas trabalham?
  30. Produtividade na Empresa: o impacto da qualidade de vida dos funcionários
  31. Business partner: o que é e como você pode se preparar para assumir essa posição
  32. Recrutamento e Seleção: o que é? Do básico ao avançado
  33. Conteúdo prático e de alto nível para RHs que não se contentam em ser operacionais
  34. Como tornar seu RH estratégico? Descubra formas práticas de conseguir!
  35. Porque o RH deve parar de responder ao CFO em 2019
  36. 7 sinais de que a sua empresa não faz os funcionários se sentirem valorizados
  37. Um guia de sustentabilidade para RHs que querem ser protagonistas
  38. Outplacement: o que é e como conduzir da melhor forma?
  39. Panorama de RH no Brasil busca gerar novas percepções para profissionais da área
  40. Empresas de headhunters: ajudam no recrutamento e…
  41. Seleção de pessoal: o que é, objetivos e diferença entre recrutamento
  42. Técnicas de Recrutamento e Seleção: como recrutar e selecionar no mercado de 2019?
  43. Como um plano de carreira pode motivar a sua equipe?
  44. Técnicas para uma boa gestão de pessoal: 7 dicas para uma gestão de sucesso
  45. Salário emocional: como motivar funcionários através da remuneração?
  46. Inteligência de mercado – saiba o que é e como identificar em um candidato
  47. Engajamento e colaboração na empresa
  48. [Vídeo] People.Tech – Gestão e Cultura Organizacional
  49. Recrutamento — O terceiro atributo crucial de uma startup
  50. Recrutamento em vendas e marketing: por que decidimos focar neles?
  51. Gestão de Pessoas: seis processos para você conhecer
  52. 6 Insights de profissionais que estão moldando um novo cenário de RH
  53. One to One
  54. Indicadores de recrutamento e seleção
  55. Curso soft skills
  56. People.Tech: Aquisição e Desenvolvimento de Talentos
  57. Ferramentas para RH gratuitas
  58. Como Identificar Talentos
  59. Recrutamento Online: o que é e vantagens
  60. Recrutamento e seleção de talentos: como conseguir os melhores?
  61. Redes sociais no recrutamento: como procurar ótimos profissionais online [Guest Post]
  62. Tipos de Recrutamento: Interno, externo, misto ou online?
  63. Seleção por competências: O que é, benefícios e como fazer
  64. Recrutamento e seleção em quatro passos
  65. Feedback no processo seletivo: qual é a importância?
  66. Job description: passo a passo para elaborar
  67. Consultoria de RH – O que é e quais tecnologias substituem?
  68. Retenção de talentos: 9 hacks que você nunca imaginou que ajudariam a reter seus talentos
  69. Inteligência Artificial no Recrutamento: o que muda?
  70. Recrutamento e Seleção de líderes: devo usar uma empresa de R&S?
  71. Headhunters: o que são e como eles podem ajudar sua empresa
  72. Banco de talentos: 5 vantagens em contratar empresas de recrutamento
  73. Startup e Recrutamento pelos olhos de um grande investidor americano
  74. Otimizar o recrutamento e seleção: as melhores práticas!
  75. Ferramentas de vendas: 7 para começar a usar agora!
  76. Gestão por competência: a prática que irá revolucionar a GP
  77. O que recrutar tem a ver com vender? | O processo seletivo e seu principal erro
  78. Processos seletivos – atração de talentos na Google e Ambev
  79. Softwares para RH: os melhores para a sua empresa
  80. Como contratar bem? 10 erros para passar longe
  81. Talent Acquisition e Employer Branding em números
  82. Employer Branding e a influência do processo seletivo
  83. Recrutamento com tecnologia: as novas tecnologias e como isso afeta a sua área
  84. Diplomas versus talento: o que priorizar no recrutamento?
  85. RH em startups: quando é necessária uma área de RH?
  86. Budget de Recrutamento: O que incluir no recrutamento de marketing e vendas?
  87. Marketing e Vendas: como conseguir os melhores profissionais?
  88. Como avaliar candidatos em entrevistas feitas por videoconferência
  89. Retenção de Talentos: Como reter jovens talentos na sua empresa
  90. Simulação de vendas: estratégia para contratar um consultor de vendas
  91. Livros para RH: 5 obras imprescindíveis para você
  92. Como Contratar Vendedores – O Guia Completo
  93. Customer Success: o Sucesso do Cliente em Foco
  94. Como Treinar e Rampar Times de Alta Performance
  95. Time de Vendas de Alta Performance
Na série Lie to Me (“Engana-me se Puder”, transmitido inicialmente pelas emissoras Fox Brasil e Record em meados de 2009 a 2014), nos era introduzida a história de uma equipe de especialistas em detectar mentiras, e com isso comprovar a veracidade das histórias que eram contadas a eles analisando as expressões faciais dos interrogados.

Com isso, eles prestavam serviços a todos os tipos de empresas, desde pessoas comuns até o FBI. Na vida real não é tão fácil assim, e não existe um “superpoder” que diga que determinada pessoa está faltando com a verdade.

Detectar o comportamento das pessoas é um talento que exige treino e muita prática. E é essencial ter técnicas e procedimentos eficientes para avaliar candidatos em processos seletivos. A avaliação de candidatos não termina na hora que o melhor currículo é escolhido (apesar de essa parte ser muito importante).

A habilidade de comunicação do indivíduo, a forma de organização do pensamento e a maneira dele se portar devem ser levadas em consideração. Mais ainda se for o caso de entrevistas por videoconferências.

Hoje em dia, esse tipo de entrevista está em alta e tem virado um novo tipo de padrão que muitos dos recrutadores têm preferido devido à comodidade e praticidade. Ao contrário de uma entrevista por telefone, também é possível avaliar visualmente o entrevistado.

E mais do que é isto: é possível descobrir muito mais, o que uma entrevista cara a cara nem sempre nos indica.
Por isso, de forma a ajudá-lo nessa tarefa elaboramos alguns conselhos de como agir e o que esperar por parte do entrevistado nesse tipo de situação. Continue a leitura e confira!

Imprevistos

É claro que imprevistos sempre acontecem e nunca irão deixar de acontecer. O importante é saber o como lidamos com quando eles de fato acontecem. Ainda mais em entrevistas por videoconferência.

A câmera com problemas, o microfone não capta sons como deveria, a conexão está falhando, esses são problemas esses que mostram como o candidato lida com o inesperado.

Uma pessoa que saiba lidar com pequenos imprevistos com espirituosidade e não perca a calma já ganha alguns pontos. O ato de avaliar um candidato já começa aí.

Seriedade e pontualidade

Supondo que tudo tenha ocorrido bem até aqui e o acaso não tenha interferido em nada, chegou a hora de analisar a fundo o candidato à vaga. O básico que se espera é a pontualidade do indivíduo (a menos que os imprevistos ocorram como dito acima).

Um pequeno detalhe que pode passar despercebido, mas que pode fazer toda a diferença na hora de construir (ou destruir) a imagem do entrevistado, é o nome utilizado no Skype/Hangouts.

Nomes com apelidos e adjetivos não demonstram profissionalismo. O ideal é que o usuário tenha outra conta cadastrada com nome de usuário somente com nome e sobrenome ou com as iniciais.

O lugar escolhido pelo candidato para dar andamento à entrevista também deve ser analisado. Um local calmo que não possibilite interrupções, caso não seja possível um escritório ou sala, deve ser um lugar que transmita seriedade, interesse e real comprometimento com a vaga pretendida, e de preferência sem muitos objetos pessoais ao fundo. Banheiro definitivamente não é uma opção.

Traje à rigor?

O que você imaginaria se tivesse que entrevistar uma pessoa usando pijama? O fato de a entrevista ser conduzida em local mais confortável para o entrevistado não quer dizer que ele deve largar mão dos processos básicos de etiqueta. Não parecer que o candidato acabou de acordar é o mínimo que se espera, mas ainda assim existem algumas regras.

Espera-se que tanto o homem quanto a mulher estejam usando uma roupa mais social, ou paletó no caso de cargos executivos. Detalhes simples, como a gola da camisa limpa e discreta, uma maquiagem leve, cores sóbrias e sem brilho e nada de decote. Tudo isso deve ser levado em consideração.

Hora da conversa

Essa parte é parecida com a forma convencional de entrevista, a presencial. A conversa pode ter de 20 minutos à uma hora, depende muito de pessoa para pessoa. Algumas são mais tímidas, outras são mais confiantes, algumas podem “travar”, ou falar demais, e isso é normal.

O lado positivo é que pelo candidato estar em casa, ele pode se sentir mais seguro. Mas o mais importante aqui é que o foco da conversa seja a entrevista em si.

A postura profissional deve ser mantida da mesma forma que fosse conduzida uma entrevista ao vivo. Tanto por parte do entrevistador quanto por parte do entrevistado.

Com os dados recolhidos durante a entrevista, é importante que se consiga responder perguntas como:o candidato tem o perfil procurado? O perfil dele se encaixa com o da empresa? Quais as chances dele pedir demissão com pouco tempo de casa? Também é fundamental saber o que fazer com os dados coletados.

E então, o que achou das dicas apresentadas em nosso artigo? Tem algo a acrescentar ou gostaria de ajuda? Entre em contato conosco e saiba como obter esse auxílio!

Tags: ,

Related Article

0 Comments

Leave a Comment