1. Calculadora de senioridade – Como saber o seu nível de senioridade
  2. Absenteísmo no trabalho: entenda as causas e como controlá-lo
  3. Recrutamento externo: as vantagens que o RH precisa conhecer!
  4. Time de Inside Sales: 3 dicas para você contratar melhor!
  5. Recrutamento interno: suas maiores vantagens e como realizá-lo
  6. Employer Branding: o que é, como aplicar e a sua importância
  7. Cultura organizacional de uma empresa: qual é sua importância?
  8. Fit cultural: como usá-lo para selecionar o melhor candidato
  9. Entrevista por competências: o que é, como usar e dicas práticas
  10. Endomarketing nas empresas: uma nova prática do RH estratégico
  11. O que é turnover: guia completo para reduzir a rotatividade
  12. Produtividade no trabalho: 9 dicas para produzir mais e melhor
  13. Atração e Retenção de Talentos: descubra como se destacar!
  14. Engajamento de equipes: como manter os colaboradores motivados?
  15. Indicadores de RH: o segredo para tornar seu RH estratégico
  16. [Case de Sucesso] De candidato a Head de CS e Recrutador
  17. Avaliação de desempenho por competências: faça ou perca talentos!
  18. Como analisar um currículo para sempre acertar nas contratações?
  19. Experiência do candidato: saiba como nunca mais perder talentos!
  20. Soft skills e Hard skills: você sabe qual é mais importante?
  21. Bem estar no trabalho: seus colaboradores estão MESMO felizes?
  22. ETALENT: 4 dicas para automatizar a operação e ter um DP estratégico
  23. RH estratégico: a tendência de mercado que você precisa conhecer
  24. Benefícios Trabalhistas válidos para o final do ano: quais são?
  25. Mau Recrutamento: conheça suas principais consequências
  26. HR Insights apresenta: Mark Roberge
  27. Contratar em marketing digital: como saber se um candidato tenta enrolar?
  28. Estratégias de recrutamento e seleção: conheça as melhores!
  29. Por que as pessoas trabalham?
  30. Produtividade na Empresa: o impacto da qualidade de vida dos funcionários
  31. Business partner: o que é e como você pode se preparar para assumir essa posição
  32. Recrutamento e Seleção: o que é? Do básico ao avançado
  33. Conteúdo prático e de alto nível para RHs que não se contentam em ser operacionais
  34. Como tornar seu RH estratégico? Descubra formas práticas de conseguir!
  35. Porque o RH deve parar de responder ao CFO em 2019
  36. 7 sinais de que a sua empresa não faz os funcionários se sentirem valorizados
  37. Um guia de sustentabilidade para RHs que querem ser protagonistas
  38. Outplacement: o que é e como conduzir da melhor forma?
  39. Panorama de RH no Brasil busca gerar novas percepções para profissionais da área
  40. Empresas de headhunters: ajudam no recrutamento e…
  41. Seleção de pessoal: o que é, objetivos e diferença entre recrutamento
  42. Técnicas de Recrutamento e Seleção: como recrutar e selecionar no mercado de 2019?
  43. Como um plano de carreira pode motivar a sua equipe?
  44. Técnicas para uma boa gestão de pessoal: 7 dicas para uma gestão de sucesso
  45. Salário emocional: como motivar funcionários através da remuneração?
  46. Inteligência de mercado – saiba o que é e como identificar em um candidato
  47. Engajamento e colaboração na empresa
  48. [Vídeo] People.Tech – Gestão e Cultura Organizacional
  49. Recrutamento — O terceiro atributo crucial de uma startup
  50. Recrutamento em vendas e marketing: por que decidimos focar neles?
  51. Gestão de Pessoas: seis processos para você conhecer
  52. 6 Insights de profissionais que estão moldando um novo cenário de RH
  53. One to One
  54. Indicadores de recrutamento e seleção
  55. Curso soft skills
  56. People.Tech: Aquisição e Desenvolvimento de Talentos
  57. Ferramentas para RH gratuitas
  58. Como Identificar Talentos
  59. Recrutamento Online: o que é e vantagens
  60. Recrutamento e seleção de talentos: como conseguir os melhores?
  61. Redes sociais no recrutamento: como procurar ótimos profissionais online [Guest Post]
  62. Tipos de Recrutamento: Interno, externo, misto ou online?
  63. Seleção por competências: O que é, benefícios e como fazer
  64. Recrutamento e seleção em quatro passos
  65. Feedback no processo seletivo: qual é a importância?
  66. Job description: passo a passo para elaborar
  67. Consultoria de RH – O que é e quais tecnologias substituem?
  68. Retenção de talentos: 9 hacks que você nunca imaginou que ajudariam a reter seus talentos
  69. Inteligência Artificial no Recrutamento: o que muda?
  70. Recrutamento e Seleção de líderes: devo usar uma empresa de R&S?
  71. Headhunters: o que são e como eles podem ajudar sua empresa
  72. Banco de talentos: 5 vantagens em contratar empresas de recrutamento
  73. Startup e Recrutamento pelos olhos de um grande investidor americano
  74. Otimizar o recrutamento e seleção: as melhores práticas!
  75. Ferramentas de vendas: 7 para começar a usar agora!
  76. Gestão por competência: a prática que irá revolucionar a GP
  77. O que recrutar tem a ver com vender? | O processo seletivo e seu principal erro
  78. Processos seletivos – atração de talentos na Google e Ambev
  79. Softwares para RH: os melhores para a sua empresa
  80. Como contratar bem? 10 erros para passar longe
  81. Talent Acquisition e Employer Branding em números
  82. Employer Branding e a influência do processo seletivo
  83. Recrutamento com tecnologia: as novas tecnologias e como isso afeta a sua área
  84. Diplomas versus talento: o que priorizar no recrutamento?
  85. RH em startups: quando é necessária uma área de RH?
  86. Budget de Recrutamento: O que incluir no recrutamento de marketing e vendas?
  87. Marketing e Vendas: como conseguir os melhores profissionais?
  88. Como avaliar candidatos em entrevistas feitas por videoconferência
  89. Retenção de Talentos: Como reter jovens talentos na sua empresa
  90. Simulação de vendas: estratégia para contratar um consultor de vendas
  91. Livros para RH: 5 obras imprescindíveis para você
  92. Como Contratar Vendedores – O Guia Completo
  93. Customer Success: o Sucesso do Cliente em Foco
  94. Como Treinar e Rampar Times de Alta Performance
  95. Time de Vendas de Alta Performance

Imagine a seguinte situação: o candidato perfeito para a sua vaga está passando pelo seu processo seletivo. Tudo parece ótimo, ele consegue ir bem em todos os testes aplicados. Mas, perto da etapa final, ele acaba por escolher outra empresa sem nem te avisar! Sabe o que pode ter o feito escolher a outra instituição? Uma boa experiência do candidato.

Tratando-se de recrutamento, garantir uma boa candidate experience é hoje a melhor alternativa para formar um time forte e coeso.

Reconhecendo a importância do Recrutamento e Seleção de Talentos no RH, hoje a Talentbrand o ajudará a entender mais sobre o assunto! Serão cobertos aqui conceitos como o famoso Employer Branding e outras estratégias e boas práticas para atrair e reter um profissional ao longo do seu processo seletivo.

Spoiler: no final tem 5 dicas fundamentais para começar a melhorar sua experiência do candidato hoje mesmo! 😉

O que é experiência do candidato?

A experiência do candidato é definida como a maneira que os candidatos percebem e reagem aos processos de recrutamento, entrevista, contratação e integração de uma empresa.  

Mas por que isso é tão importante? Foi comprovado que há de fato uma ligação entre a eficiência de um funil de recrutamento com o quão bem ele é otimizado aos candidatos. Não é a toa que vários players de sucesso hoje em dia têm setores exclusivamente dedicados à melhora dessa área.

Ah, lembre-se que o oposto também é verdade. Se um candidato ficar insatisfeito com alguma das suas etapas de Recrutamento e Seleção, como vivemos na era digital, é fácil dele publicar sua opinião e ela viralizar. Quer um caso famoso? O do ex designer da Apple.

Employer branding: a nova tendência em recrutamento

O termo pode ser até relativamente novo, entretanto com certeza o employer branding já esteve presente entre as reuniões da sua empresa ou discussões internas do setor de um RH estratégico.

Uma das suas melhores definições, que é de origem americana, trata o conceito como a “reputação da empresa como empregadora”.

Em outras palavras, Employer Branding é quando uma organização consegue ser atrativa para os talentos disponíveis no mercado por ser conhecida como um bom ambiente de trabalho.

Um exemplo bastante típico nesse assunto é a Google. Que profissional não gostaria de trabalhar para esta empresa que possui e oferece inúmeras vantagens para seus colaboradores? Vantagens como ambientes para descanso e lazer, além de uma maior liberdade no que se refere aos processos criativos

O que muitos não sabem é que essa cultura organizacional tem sido expandida nos últimos anos. E a tendência é justamente que a importância da marca empregadora esteja cada vez mais em evidência.

Vale ressaltar ainda que, para garantir a experiência do candidato a partir dessa estratégia, é realmente indispensável investir em uma remodelação de toda a cultura organizacional do negócio.

Portanto, as bases precisam ser revistas e até mesmo reestruturadas para que os clientes internos – que são seus colaboradores – passem a enxergar e propagar o valor da empresa no mercado, atraindo outros grandes talentos.

Recrutamento tradicional ou Employer Branding?

Passando para uma abordagem mais prática sobre a importância da experiência do candidato, faz-se válido um comparativo. Qual? O sobre os procedimentos tradicionais de contratação vs aqueles em que o Employer Branding se faz presente.

Enquanto que no primeiro existe a demora no encontro de um profissional adequado, no segundo, há uma maior variedade de candidatos interessados em integrar a equipe. Isso graças à boa reputação do negócio! Além disso, o processo como um todo é facilitado e passa a ter muito mais resultado.

Na segunda, ainda, o volume de candidaturas diárias na página da empresa – ou em sua respectiva recrutadora – é alto. As pessoas querem ser parte de seu time e isso é, obviamente, muito bom. Afinal, o responsável pela contratação tem acesso a excelentes talentos!

Outro ponto importante é que quando se trabalha e lapida a cultura organizacional com foco na estratégia de marca empregadora, até mesmo talentos que já estão trabalhando em outras empresas começam a demonstrar interesse em integrar o seu capital humano.

Como consequência, eles podem vir a trocar de organização em busca daquilo que tanto ouviram falar no mercado.

Por fim, vale mencionar que com a cultura organizacional focada nos pontos que já foram abordados, é notável um melhor índice também de retenção de talentos.

5 dicas para melhorar a experiência do candidato

Até aqui você conferiu algumas definições e conceitos que já vão ajudar no seu processo de recrutamento de talentos. Entretanto, agora é chegada a hora de ver 5 dicas mais práticas sobre como melhorar a sua experiência do candidato hoje:

Escreva uma job description clara

Muitas confusões podem ser evitadas se você fornecer uma job description clara. Ao mesmo tempo, isso passará uma maior confiança e transparência ao candidato. Além de reconhecer ali com facilidade se essa é de fato a vaga que ele procura, o candidato não vai sentir que você está o enganando para “trabalhar mais”.

Facilite o processo de aplicação dos candidatos

Você já passou pela experiência de querer acessar uma página ou comprar um produto online, mas ser “impedido” por várias outras páginas ou preenchimento de diversas “fichas”? Então você consegue imaginar o quão frustrante e desencorajante isso pode ser a um candidato que está aplicando para sua vaga! Seja o mais direto possível no processo de aplicação.

Comunique-se adequadamente com os candidatos

Apesar desse tópico soar um pouco abstrato a princípio, vamos explicar o que ele quer dizer. A falta – ou pouco eficácia – de comunicação, de feedback ou de transparência no geral são alguns dos principais problemas apontados por candidatos. Relatar de forma direta quais e quantas são as etapas de um processo e feedbacks sobre o que o candidato poderia melhorar para uma próxima entrevista são dois exemplos de boas práticas.

Forneça materiais que ajudarão os candidatos

Essa vale tanto para materiais que vão informar sobre como funcionam as coisas internamente na sua empresa quanto materiais que de fato ajudem os candidatos. Um blog que transpareça sua cultura, metas da instituição e/ou competências valorizadas no seu mercado é um ótimo começo!

Follow-up recorrente!

É importante ser o mais eficiente possível em seus follow-ups. Tanto notícias de rejeição quanto de parabenização devem ser mandadas dentro de um tempo razoável, nada de demorar semanas! Assim, com respostas mais rápidas, você demonstra que valoriza o tempo do seu candidato.

Similarmente, use, de preferência, endereços de e-mail “humanos” para dar tais notícias, isso transmite maior interesse no profissional em questão. Lembre-se também de responder as mensagens dos seus candidatos!

Pronto para melhorar sua experiência do candidato hoje?

Se você quiser competir com os grandes, você vai precisar investir na experiência do candidato o mais cedo possível! Há inúmeros casos virais que mostram os resultados tanto de uma boa quanto de uma má candidate experience. Você não vai querer ser um dos ruins, certo?

Nesse post, ajudamos você a entender a importância dessa prática, assim como apresentamos as tendências na área. Por fim, demos 5 dicas fundamentais para começar a implementar hoje! Então, o que está esperando? 🙂

Esse artigo te ajudou? Alguma sugestão, dúvida ou crítica? Ficaremos muito felizes se você compartilhar conosco nos comentários abaixo. 

0 Comments

Leave a Comment