1. Calculadora de senioridade – Como saber o seu nível de senioridade
  2. Absenteísmo no trabalho: entenda as causas e como controlá-lo
  3. Recrutamento externo: as vantagens que o RH precisa conhecer!
  4. Time de Inside Sales: 3 dicas para você contratar melhor!
  5. Recrutamento interno: suas maiores vantagens e como realizá-lo
  6. Employer Branding: o que é, como aplicar e a sua importância
  7. Cultura organizacional de uma empresa: qual é sua importância?
  8. Fit cultural: como usá-lo para selecionar o melhor candidato
  9. Entrevista por competências: o que é, como usar e dicas práticas
  10. Endomarketing nas empresas: uma nova prática do RH estratégico
  11. O que é turnover: guia completo para reduzir a rotatividade
  12. Produtividade no trabalho: 9 dicas para produzir mais e melhor
  13. Atração e Retenção de Talentos: descubra como se destacar!
  14. Engajamento de equipes: como manter os colaboradores motivados?
  15. Indicadores de RH: o segredo para tornar seu RH estratégico
  16. [Case de Sucesso] De candidato a Head de CS e Recrutador
  17. Avaliação de desempenho por competências: faça ou perca talentos!
  18. Como analisar um currículo para sempre acertar nas contratações?
  19. Experiência do candidato: saiba como nunca mais perder talentos!
  20. Soft skills e Hard skills: você sabe qual é mais importante?
  21. Bem estar no trabalho: seus colaboradores estão MESMO felizes?
  22. ETALENT: 4 dicas para automatizar a operação e ter um DP estratégico
  23. RH estratégico: a tendência de mercado que você precisa conhecer
  24. Benefícios Trabalhistas válidos para o final do ano: quais são?
  25. Mau Recrutamento: conheça suas principais consequências
  26. HR Insights apresenta: Mark Roberge
  27. Contratar em marketing digital: como saber se um candidato tenta enrolar?
  28. Estratégias de recrutamento e seleção: conheça as melhores!
  29. Por que as pessoas trabalham?
  30. Produtividade na Empresa: o impacto da qualidade de vida dos funcionários
  31. Business partner: o que é e como você pode se preparar para assumir essa posição
  32. Recrutamento e Seleção: o que é? Do básico ao avançado
  33. Conteúdo prático e de alto nível para RHs que não se contentam em ser operacionais
  34. Como tornar seu RH estratégico? Descubra formas práticas de conseguir!
  35. Porque o RH deve parar de responder ao CFO em 2019
  36. 7 sinais de que a sua empresa não faz os funcionários se sentirem valorizados
  37. Um guia de sustentabilidade para RHs que querem ser protagonistas
  38. Outplacement: o que é e como conduzir da melhor forma?
  39. Panorama de RH no Brasil busca gerar novas percepções para profissionais da área
  40. Empresas de headhunters: ajudam no recrutamento e…
  41. Seleção de pessoal: o que é, objetivos e diferença entre recrutamento
  42. Técnicas de Recrutamento e Seleção: como recrutar e selecionar no mercado de 2019?
  43. Como um plano de carreira pode motivar a sua equipe?
  44. Técnicas para uma boa gestão de pessoal: 7 dicas para uma gestão de sucesso
  45. Salário emocional: como motivar funcionários através da remuneração?
  46. Inteligência de mercado – saiba o que é e como identificar em um candidato
  47. Engajamento e colaboração na empresa
  48. [Vídeo] People.Tech – Gestão e Cultura Organizacional
  49. Recrutamento — O terceiro atributo crucial de uma startup
  50. Recrutamento em vendas e marketing: por que decidimos focar neles?
  51. Gestão de Pessoas: seis processos para você conhecer
  52. 6 Insights de profissionais que estão moldando um novo cenário de RH
  53. One to One
  54. Indicadores de recrutamento e seleção
  55. Curso soft skills
  56. People.Tech: Aquisição e Desenvolvimento de Talentos
  57. Ferramentas para RH gratuitas
  58. Como Identificar Talentos
  59. Recrutamento Online: o que é e vantagens
  60. Recrutamento e seleção de talentos: como conseguir os melhores?
  61. Redes sociais no recrutamento: como procurar ótimos profissionais online [Guest Post]
  62. Tipos de Recrutamento: Interno, externo, misto ou online?
  63. Seleção por competências: O que é, benefícios e como fazer
  64. Recrutamento e seleção em quatro passos
  65. Feedback no processo seletivo: qual é a importância?
  66. Job description: passo a passo para elaborar
  67. Consultoria de RH – O que é e quais tecnologias substituem?
  68. Retenção de talentos: 9 hacks que você nunca imaginou que ajudariam a reter seus talentos
  69. Inteligência Artificial no Recrutamento: o que muda?
  70. Recrutamento e Seleção de líderes: devo usar uma empresa de R&S?
  71. Headhunters: o que são e como eles podem ajudar sua empresa
  72. Banco de talentos: 5 vantagens em contratar empresas de recrutamento
  73. Startup e Recrutamento pelos olhos de um grande investidor americano
  74. Otimizar o recrutamento e seleção: as melhores práticas!
  75. Ferramentas de vendas: 7 para começar a usar agora!
  76. Gestão por competência: a prática que irá revolucionar a GP
  77. O que recrutar tem a ver com vender? | O processo seletivo e seu principal erro
  78. Processos seletivos – atração de talentos na Google e Ambev
  79. Softwares para RH: os melhores para a sua empresa
  80. Como contratar bem? 10 erros para passar longe
  81. Talent Acquisition e Employer Branding em números
  82. Employer Branding e a influência do processo seletivo
  83. Recrutamento com tecnologia: as novas tecnologias e como isso afeta a sua área
  84. Diplomas versus talento: o que priorizar no recrutamento?
  85. RH em startups: quando é necessária uma área de RH?
  86. Budget de Recrutamento: O que incluir no recrutamento de marketing e vendas?
  87. Marketing e Vendas: como conseguir os melhores profissionais?
  88. Como avaliar candidatos em entrevistas feitas por videoconferência
  89. Retenção de Talentos: Como reter jovens talentos na sua empresa
  90. Simulação de vendas: estratégia para contratar um consultor de vendas
  91. Livros para RH: 5 obras imprescindíveis para você
  92. Como Contratar Vendedores – O Guia Completo
  93. Customer Success: o Sucesso do Cliente em Foco
  94. Como Treinar e Rampar Times de Alta Performance
  95. Time de Vendas de Alta Performance

O processo de Recrutamento e Seleção pode ser, com certeza, muito demorado e complicado. Sabemos que hoje em dia uma das maiores dores das empresas é contratar rápido, mas certo. Mas muitos esquecem uma estratégia muito interessante: o recrutamento interno.

Se você deseja:

  • Diminuir custos,
  • Reduzir o tempo gasto em recrutamento
  • Acertar mais nas contratações,
  • E… De quebra, aumentar a retenção de talentos,

O recrutamento interno talvez seja perfeito para você. Aqui explicaremos o que ele é, seus tipos, suas vantagens e desvantagens e como aplicá-lo.

Acompanhe!

O que é recrutamento interno?

O recrutamento interno é o processo de R&S que ocorre com a avaliação de colaboradores que já são da empresa. Ou seja, quando uma vaga é aberta, será feito um processo seletivo interno para escolher um funcionário que se adeque à essa nova função.

Entretanto, o que mais comumente vemos é o processo de recrutamento externo. Este, por sua vez, acontece quando a instituição abre uma vaga para um público externo. Ou seja, é o processo clássico de procurar por um talento novo no mercado.

É preciso ter em mente que, muitas vezes, o recrutamento interno se dá antes do externo dentro das empresas. Isso porque, além de mais rápido e eficiente, ele é uma forma de reforçar a valorização de funcionários.  

Tipos de recrutamento interno

Apesar do recrutamento interno parecer um processo único, ele definitivamente não é homogêneo. Dentro dele, há pelo menos 3 principais tipos que podem se enquadrar em diferentes situações. Entenda:

Informal

No recrutamento interno informal, não há a abertura da vaga para uma “ampla concorrencia” na empresa. O que geralmente acontece é a seleção de um funcionário em específico pelo RH, seja por recomendação de gestores, ou convicção por parte do próprio RH.

É mais comum dentro dessa categoria as famosas promoções de um colaborador de uma área para suprir a saída de outro.

Divulgação da vaga

Já na divulgação de vaga, temos de fato a abertura e divulgação da posição em aberto para a empresa toda. Com a divulgação também das competências necessárias, é feita uma seleção entre os candidatos que mais se enquadram.

Reenquadramento profissional

Por fim, o reenquadramento profissional acontece quando a empresa restringe os colaboradores que podem participar. Esse “filtro” é feito exatamente pelo plano de carreira dos profissionais em questão.

Ou seja, só profissionais que têm o plano de carreira aderente à vaga podem concorrer.

Quais são as vantagens do recrutamento interno?

Assim como o recrutamento externo, o recrutamento interno possui suas vantagens e desvantagens. E se faz necessário um senso crítico por parte do responsável pelo Recrutamento e Seleção avaliar o custo x benefício desse processo.

Por exemplo, no caso do recrutamento externo há a desvantagem de ser um procedimento geralmente longo e trabalhoso. Aliás, em situações de urgência de contratação, por exemplo, o recrutamento externo se sai muito mal.

Algumas consequências de um mau recrutamento externo podem ser a falta de fit cultural e o temido turnover.

Mas uma vantagem pode ser a vinda de um novo talento para a empresa.

Enfim, para você tomar uma decisão mais segura, vamos analisar melhor os prós e contras de um recrutamento interno. Aqui estão 5 vantagens do recrutamento interno:

Menor custo

Um dos benefícios mais valorizados no recrutamento interno é, com certeza, seu menor custo. A empresa consegue economizar recursos e tempo ao selecionar apenas dentre seus funcionários.

Além disso, é possível simplificar ou até eliminar etapas que seriam necessárias num processo que inclua o público externo.

Agilidade no processo

Como mencionamos acima, pela possibilidade de economizar tempo em algumas etapas do processo de R&S, o recrutamento interno se torna mais ágil. Ademais, o número mais reduzido de profissionais a serem selecionados também faz com que esse processo seja muito mais dinâmico.

Fit cultural do colaborador

Hoje em dia o fit cultural certamente virou um dos critérios mais importantes de seleção, senão o mais importante. E, apesar da sua importância, sabemos que ele é um tanto quanto difícil de avaliar, ainda mais se seu tempo é reduzido.

Portanto, ao contratar um colaborador que já faz parte da sua empresa, o fit cultural já é quase que certo. Ou seja, você não vai correr o risco de contratar um profissional que não conseguirá se adaptar à cultura organizacional da sua empresa.

Retenção de talentos

A retenção de talentos é hoje um grande desafio para a maioria das empresas. Vamos ser sinceros: a demanda por talentos é muito maior que sua disponibilidade. Assim, as empresas que querem ser competitivas no mercado já sabem que precisam investir na retenção de talentos.

E uma ótima notícia: o recrutamento interno favorece a retenção!

Isso porque, além de inspirar os colaboradores a se aperfeiçoarem, ele contribui para o sentimento de valorização e para a visão de um plano de carreira. Ou seja, os funcionários vão sentir que você confia em suas habilidades para desempenhar outras funções e crescer na empresa.

Índice de acerto

Ao selecionar um funcionário que já faz parte da sua equipe, o índice de acerto é muito maior. Isso porque você já tem informações mais detalhadas sobre esse profissional. Suas soft e hard skills, sua personalidade, seus valores, seus resultados… Enfim, você já entendeu, né?

Desvantagens do recrutamento interno

Apesar do recrutamento interno ser uma ótima estratégia, nem tudo são flores. Assim como em qualquer outro método de recrutamento, ele possui alguns contras que precisam ser levados em consideração.

Sendo assim, aqui vão 3 desvantagens do recrutamento interno:

Seleção reduzida

A seleção reduzida é uma faca de dois gumes. Ao passo que agiliza o processo, ela tira a diversidade das opções. Nesse caso, você pode estar perdendo a chance de achar um novo talento do mercado que renovará os ares da sua empresa.

Desmotivação de quem não foi selecionado

Dependendo da forma que o processo de recrutamento for realizado, ele pode gerar desmotivação e até frustração dos funcionários que não foram selecionados. Eles podem, por exemplo, se sentirem desestimulados a tentarem novamente ou, em casos mais sérios, podem até se sentir desvalorizados.

Desfalques na equipe

Com a realocação de um funcionário de um time para outra função, é natural que haja desfalque na função que ele ocupava antes. Portanto, é preciso ter em mente que possivelmente será preciso “repor” alguém no trabalho que o colaborador desempenhava antes.

Como fazer um recrutamento interno eficiente?

Agora que você já sabe o que é um recrutamento interno, quais são suas vantagens e desvantagens, creio que já fez sua escolha, certo? Se você decidiu que esse tipo de recrutamento é o que você precisa, vamos entender agora como fazer um recrutamento interno eficiente:

Atualize as informações dos funcionários periodicamente

Vamos ser sinceros: os funcionários muitas vezes realizam cursos, adquirem novas habilidades ou se aperfeiçoam durante seu desenvolvimento profissional… E com certa frequência não sabemos disso.

Logo, é extremamente importante termos olhos atentos para atualizações das informações dos colaboradores. Pode ser que um profissional tenha adquirido uma habilidade requerida para uma vaga em aberto e não podemos perder essa oportunidade de vista.

Conheça bem o candidato

No caso do recrutamento interno, é possível conhecermos ainda mais a fundo o “candidato” para uma vaga. Conseguimos observar como é sua rotina de trabalho, seus resultados e suas competências.

Assim, usar esses dados “extras” é essencial. Não contrate um funcionário só porque gosta da personalidade dele ou do trabalho dele numa determinada área. Você precisa ter em mente se ele possui as skills necessárias para essa nova posição.

Comunique a oportunidade

Assim como para o público externo, é necessário fazer uma divulgação interna da vaga disponível! Todos os colaboradores precisam sentir que tiveram a possibilidade de participar desse processo.

Realize os testes necessários

Apesar de se tratar da contratação de um funcionário da sua empresa, isso não anula a necessidade de realizar todos os testes necessários. Isso porque, além de reavaliar as habilidades antigas e validar as adquiridas, você pode direcionar a avaliação para as competências da vaga em questão.

Dê um feedback a todos que participaram do processo

Se o feedback já é crucial no recrutamento externo, imagina no interno! Para não prejudicar o clima organizacional, a empresa precisa se atentar em como vai estabelecer a comunicação com quem não “conseguiu” a vaga.

O recrutamento interno configura uma alternativa interessante no R&S de uma empresa. Isso porque é mais rápido e barato, além de, por vezes, mais certeiro. Ele garante o fit cultural e uma maior retenção de talentos.

E, então, pronto para experimentar essa técnica? Ou já é um veterano na sua implementação? Conte para nós nos comentários! 🙂

Tags:

Related Article

0 Comments

Leave a Comment