1. Calculadora de senioridade – Como saber o seu nível de senioridade
  2. Absenteísmo no trabalho: entenda as causas e como controlá-lo
  3. Recrutamento externo: as vantagens que o RH precisa conhecer!
  4. Time de Inside Sales: 3 dicas para você contratar melhor!
  5. Recrutamento interno: suas maiores vantagens e como realizá-lo
  6. Employer Branding: o que é, como aplicar e a sua importância
  7. Cultura organizacional de uma empresa: qual é sua importância?
  8. Fit cultural: como usá-lo para selecionar o melhor candidato
  9. Entrevista por competências: o que é, como usar e dicas práticas
  10. Endomarketing nas empresas: uma nova prática do RH estratégico
  11. O que é turnover: guia completo para reduzir a rotatividade
  12. Produtividade no trabalho: 9 dicas para produzir mais e melhor
  13. Atração e Retenção de Talentos: descubra como se destacar!
  14. Engajamento de equipes: como manter os colaboradores motivados?
  15. Indicadores de RH: o segredo para tornar seu RH estratégico
  16. [Case de Sucesso] De candidato a Head de CS e Recrutador
  17. Avaliação de desempenho por competências: faça ou perca talentos!
  18. Como analisar um currículo para sempre acertar nas contratações?
  19. Experiência do candidato: saiba como nunca mais perder talentos!
  20. Soft skills e Hard skills: você sabe qual é mais importante?
  21. Bem estar no trabalho: seus colaboradores estão MESMO felizes?
  22. ETALENT: 4 dicas para automatizar a operação e ter um DP estratégico
  23. RH estratégico: a tendência de mercado que você precisa conhecer
  24. Benefícios Trabalhistas válidos para o final do ano: quais são?
  25. Mau Recrutamento: conheça suas principais consequências
  26. HR Insights apresenta: Mark Roberge
  27. Contratar em marketing digital: como saber se um candidato tenta enrolar?
  28. Estratégias de recrutamento e seleção: conheça as melhores!
  29. Por que as pessoas trabalham?
  30. Produtividade na Empresa: o impacto da qualidade de vida dos funcionários
  31. Business partner: o que é e como você pode se preparar para assumir essa posição
  32. Recrutamento e Seleção: o que é? Do básico ao avançado
  33. Conteúdo prático e de alto nível para RHs que não se contentam em ser operacionais
  34. Como tornar seu RH estratégico? Descubra formas práticas de conseguir!
  35. Porque o RH deve parar de responder ao CFO em 2019
  36. 7 sinais de que a sua empresa não faz os funcionários se sentirem valorizados
  37. Um guia de sustentabilidade para RHs que querem ser protagonistas
  38. Outplacement: o que é e como conduzir da melhor forma?
  39. Panorama de RH no Brasil busca gerar novas percepções para profissionais da área
  40. Empresas de headhunters: ajudam no recrutamento e…
  41. Seleção de pessoal: o que é, objetivos e diferença entre recrutamento
  42. Técnicas de Recrutamento e Seleção: como recrutar e selecionar no mercado de 2019?
  43. Como um plano de carreira pode motivar a sua equipe?
  44. Técnicas para uma boa gestão de pessoal: 7 dicas para uma gestão de sucesso
  45. Salário emocional: como motivar funcionários através da remuneração?
  46. Inteligência de mercado – saiba o que é e como identificar em um candidato
  47. Engajamento e colaboração na empresa
  48. [Vídeo] People.Tech – Gestão e Cultura Organizacional
  49. Recrutamento — O terceiro atributo crucial de uma startup
  50. Recrutamento em vendas e marketing: por que decidimos focar neles?
  51. Gestão de Pessoas: seis processos para você conhecer
  52. 6 Insights de profissionais que estão moldando um novo cenário de RH
  53. One to One
  54. Indicadores de recrutamento e seleção
  55. Curso soft skills
  56. People.Tech: Aquisição e Desenvolvimento de Talentos
  57. Ferramentas para RH gratuitas
  58. Como Identificar Talentos
  59. Recrutamento Online: o que é e vantagens
  60. Recrutamento e seleção de talentos: como conseguir os melhores?
  61. Redes sociais no recrutamento: como procurar ótimos profissionais online [Guest Post]
  62. Tipos de Recrutamento: Interno, externo, misto ou online?
  63. Seleção por competências: O que é, benefícios e como fazer
  64. Recrutamento e seleção em quatro passos
  65. Feedback no processo seletivo: qual é a importância?
  66. Job description: passo a passo para elaborar
  67. Consultoria de RH – O que é e quais tecnologias substituem?
  68. Retenção de talentos: 9 hacks que você nunca imaginou que ajudariam a reter seus talentos
  69. Inteligência Artificial no Recrutamento: o que muda?
  70. Recrutamento e Seleção de líderes: devo usar uma empresa de R&S?
  71. Headhunters: o que são e como eles podem ajudar sua empresa
  72. Banco de talentos: 5 vantagens em contratar empresas de recrutamento
  73. Startup e Recrutamento pelos olhos de um grande investidor americano
  74. Otimizar o recrutamento e seleção: as melhores práticas!
  75. Ferramentas de vendas: 7 para começar a usar agora!
  76. Gestão por competência: a prática que irá revolucionar a GP
  77. O que recrutar tem a ver com vender? | O processo seletivo e seu principal erro
  78. Processos seletivos – atração de talentos na Google e Ambev
  79. Softwares para RH: os melhores para a sua empresa
  80. Como contratar bem? 10 erros para passar longe
  81. Talent Acquisition e Employer Branding em números
  82. Employer Branding e a influência do processo seletivo
  83. Recrutamento com tecnologia: as novas tecnologias e como isso afeta a sua área
  84. Diplomas versus talento: o que priorizar no recrutamento?
  85. RH em startups: quando é necessária uma área de RH?
  86. Budget de Recrutamento: O que incluir no recrutamento de marketing e vendas?
  87. Marketing e Vendas: como conseguir os melhores profissionais?
  88. Como avaliar candidatos em entrevistas feitas por videoconferência
  89. Retenção de Talentos: Como reter jovens talentos na sua empresa
  90. Simulação de vendas: estratégia para contratar um consultor de vendas
  91. Livros para RH: 5 obras imprescindíveis para você
  92. Como Contratar Vendedores – O Guia Completo
  93. Customer Success: o Sucesso do Cliente em Foco
  94. Como Treinar e Rampar Times de Alta Performance
  95. Time de Vendas de Alta Performance
Uma das discussões mais acaloradas quando se trata da estruturação do RH é a sua falta de autonomia.

Frequentemente o RH é pressionado a reportar – quase que – todos os seus passos para o CFO de uma empresa. Nesse post, a Talentbrand vai explicar porque isso prejudica não só o setor, mas a companhia como um todo.

Numa realidade cada vez mais competitiva, é natural que a disputa por talentos se torne extremamente acirrada. Assim, as empresas se veem num grande impasse: como se diferenciar na hora de atrair e manter grandes potenciais?

Seria ingênuo pensar que seus colaboradores muitas vezes não sonham em trabalhar em empresas maiores e/ou mais populares – talvez com um alcance internacional – no mercado.

É nessa hora que o RH entra como uma arma secreta. A cultura organizacional de uma instituição vem se mostrando como o seu diferencial competitivo mais essencial.

Entendendo o que é um CFO

De acordo com o “Business Dictionary”, podemos sucintamente definir CFO (sigla para o termo em inglês Chief Financial Officer) da seguinte forma: executivo sênior responsável pelo controle financeiro e planejamento de uma firma ou projeto.

Agora que já sabemos que os CFOs são os principais responsáveis pelas finanças de uma empresa, outro questionamento inevitavelmente vem à tona: quais são, afinal, as suas principais responsabilidades?

A maior atribuição de um diretor financeiro é manter uma estrutura financeira condizente com seu planejamento estratégico.

Mas, além disso, podemos mencionar outras atividades de destaque, como liderar a avaliação de objetivos orçamentários, monitorar o fluxo de caixa e controle de metas.

Por que o CFO não ajuda o RH?

Antigamente, a função estrutural do RH era basicamente processar folhas de pagamentos das empresas.

Apesar disso passar longe de condizer com a realidade atual, esse pensamento gerou uma crença fortemente enraizada na mentalidade das empresas: o responsável pelo setor de RH ser um subordinado do CFO.

Os papéis atuais do setor são muito mais estratégicos e diferem essencialmente das responsabilidades de um diretor financeiro.

O raciocínio mais lógico e técnico de um CFO faz com que ele dificilmente entenda porque investir em temas como cultura da empresa, client experience e engajamento de colaboradores é importante.

Complementarmente, não é do perfil de um CFO fazer bruscas mudanças de contexto com o intuito de ainda ter energia para tratar de assuntos como cultura e pessoas.

Por outro lado, podemos ressaltar que esse é justamente o trabalho de um CEO, que está sempre fazendo uma espécie de gestão de atenção entre diferentes temas.

O que faz um CEO?

Ao termos maior conhecimento de quais são as atribuições de um CEO, conseguiremos definir melhor como elas, na realidade, apontam que o RH deveria ser seu “braço direito”.

Contrariando o senso comum, o setor desempenha um papel fundamental no crescimento de uma empresa, sendo uma ótima parceria para os diretores executivos.

O CEO é o principal chefe de uma companhia. De modo geral, suas tarefas são mais estratégicas, se centrando principalmente no desenvolvimento de uma visão de empresa, na sua aplicação e manutenção. Além disso, é responsável também por inseri-la no dia a dia dos funcionários.

É bom lembrar, todavia, que muitas vezes o diretor executivo de uma companhia – especialmente de pequeno e médio porte – pode atuar em operações de níveis “mais baixos”, como contratação de colaboradores.

Relação entre CEO e RH

Com os tópicos anteriores é possível deduzir – ao menos em parte – como se dá essa relação entre o RH e o CEO e porque ela é mais equilibrada. Por ambos terem papéis estratégicos na construção, implementação e manutenção de uma cultura organizacional, seus trabalhos acabam se cruzando e complementando.

Por terem essa afinidade, fica claro que o RH deve ser uma responsabilidade direta do CEO, não do CFO.

Estabelecer e disseminar a visão da empresa, garantir um bom desempenho e engajamento dos colaboradores e participar dos processos de recrutamento e seleção são todas funções que um CEO desempenha.

Vale destacar que tais responsabilidades também contam com uma indispensável participação do setor de RH.

Tendências do RH como um setor mais estratégico

As principais tendências de 2018 para o RH – novas ferramentas de entrevista, inteligência artificial, diversidade e dados – estão a transformando numa área muito mais estratégica. Podemos destacar, por exemplo, o impacto das inovações na seleção de candidatos.

Ao acabar com as cansativas buscas por talentos e longa lista de ineficientes entrevistas, as novas formas de seleção dão mais tempo para o responsável de RH. Esse tempo pode ser usado, por exemplo, para desenvolver relacionamentos com os candidatos e adquirir os talentos desejados . Como impactam fundamentalmente na velocidade e no sucesso das contratações, você não pode – nem deve – desconsiderá-las.

É bom pontuar que as entrevistas tradicionais têm sido cada vez mais criticadas e questionadas ao longo dos anos. Numa pesquisa realizada na plataforma Soluções de Talentos no LinkedIn, os participantes apontaram a parcialidade como o seu principal problema. “Entrevistados envolventes e carismáticos não são necessariamente mais capacitados, mas inconscientemente assumimos que sim”.

Conclusão

Depois de inúmeros estudos apontando uma boa estruturação do RH como estratégica e ativamente contribuinte no desenvolvimento da empresa, fica impossível negar a importância de sua autonomia.

Atualmente, é essencial para qualquer companhia se manter atualizada sobre as novas tendências no setor de RH se não quiser ficar para trás. Se precisarem de ajuda nessa jornada, podem contar com a Talentbrand para fazer a procura de novos talentos de forma rápida, transparente e prática. 🙂

Tags:

Related Article

0 Comments

Leave a Comment